segunda-feira, janeiro 22, 2007

Visconde de Borba Reserva 2003

Há muito tempo que um tinto alentejano não me marcava tanto. O que não é necessariamente bom...
Quando cheirei a rolha não gostei. Quando levei o copo a nariz gostei ainda menos. Quando levei o vinho à boca... minha Nossa Senhora! Que enjoo! Calei-me, caladinho e escondi as emoções. Servi o vinho as restantes convivas. Primeiro espantou-se um, depois outro e outro e outro. O problema não era meu. Ninguém ficou indiferente. Este vinho era escusado, uma dôr de cabeça.
O nariz agoniou-se com o odor a cabedal que se sobrepõe a uma fina película floral. Na boca mantém-se a pele curtida, madeira e fumo... tudo excessivo.
Informei-me, mais tarde, com um profissional do ramo: é estilo. Parece que há quem goste do género...

Região: Alentejo
Produtor: Marcolino Sêbo
Nota: 2/10

1 comentário:

Gato Vinho disse...

é vinho de Borba e basta. Se fosse de Estremoz outro galo cantaria