sexta-feira, agosto 03, 2018

Quinta da Leda 2015


O Quinta da Leda 2015 mantém o que é e expressa a região. Na garrafa encontro o Douro, denso, o fumo de azinho, a secura da esteva, a lembrança da terra xistosa, a fruta preta, a potência, o corpo e a alma.
.
As suas castas são as notáveis da região, como a minha adorada, touriga franca (50%), touriga nacional (20%), tinta roriz (15%) e tinto cão (15%). Viveu 18 meses em barricas de carvalho francês.
.
Esqueçam-no no Verão. Bebam-no no Natal – quando apetecerem comidas mais quentes – ou guardem-no, pois vai melhorar.
.
.
.
Quinta da Leda 2015
.
Origem: Douro
Produtor: Casa Ferreirinha / Sogrape
Nota: 8,5/10
.
.
.
Nota: Este vinho foi enviado para prova pelo produtor.

Chateau de Myrat 2010

O vinho de colheita tardia – especialmente quando está, por inteiro, afectado pelo fungo botrytis cinérea – é um esplendor. Tenho pena de não ter algibeira, fígado e índole (?) corporal para os beber mais vezes.
.
Descobri o Chateau de Myrat 2010 no aeroporto Charles de Gaulle, num passeio para apaziguar o tédio. Foi um tiro no escuro. Se o preço das coisas fosse justo ou unânime a avaliação seria fácil. Portanto, não sei se comprei barato.
.
Tem tudo o que gosto nestes vinhos: gulodice civilizada, o amargor suave criado pelo fungo, elegância na boca e final demorado.
.
.
.
Chateau de Myrat 2010
.
Origem: Sauternes
Produtor: Chateau de Myrat 2010
Nota: 8/10

quinta-feira, agosto 02, 2018

Azevedo Loureiro Alvarinho 2017 + Quinta de Azevedo Reserva 2017

A reputação da região do Vinho Verde é ainda muito marcada pelos preços baixos e, infelizmente muitos casos, produtores que deviam estar quietos. A gaseificação é um terror. Contudo,

O Vinho Verde tem um enorme potencial e grandes empresas – umas que já trabalham bem  há muitos anos – têm-se interessado pela região. Claro que é pelos seus lindos olhos: frescura.
.
A região tem tanto carácter que muitos julgam tratar-se de um tipo de vinho. Por outro lado, infelizmente, há uma percepção de preço baixo. Alguma coisa vai mudar, as empresas maiores não são conformistas e farão pôr outros a mexer.
.
Não duvido do efeito marca. O Vinho Verde é fresco e agradável, satisfaz toda a gente. Porém, a percepção do valor penaliza-o. Aqui, sobretudo o Quinta de Azevedo Reserva 2017, os vinhos teriam outro preço, se viessem doutros locais.
.
Fazendo-me de bruxo, acredito que vão emergir pequenos produtores empenhados na produção em qualidade. Continuando a brincar de adivinho, duvido que a maioria das firmas tenha coragem para mudar, ficando no que é.
.
A Sogrape, a maior empresa portuguesa do sector, quer estar além do Gazela. A Quinta de Azevedo, situada no concelho de Barcelos e adquirida em 1980, tem agora um papel mais importante. Um branco para consumo à mesa e à conversa e outro mais exigente, em que se pretende captar a energia da propriedade.
.
O Azevedo Loureiro Alvarinho 2017 vai bem para a mesa, talvez além das saladas, frango e peixe – sendo que esta última debito sabedoria por empréstimo, ouvindo e fazendo contas ao que se pode sentir e apreciar. Alimenta também as conversas do Verão, quando o trabalho do dia seguinte é mergulhar no mar ou andar às cabeçadas nas aldeias – as férias inteiramente bucólicas têm alguma coisa que me incomoda.
.
Para quem trabalha bem, o «mais sério» não existe. Por isso, o Quinta de Azevedo Reserva 2017 não pode ser mais sério do que o anterior. Recorro à expressão para transmitir a percepção sensorial e o prazer que fica para lá da época estival.
.
O Quinta de Azevedo Reserva 2017 é um lote de loureiro (70%) e alvarinho (30%). Se António Braga (enólogo) diz que é assim, é porque é mesmo. Esta afirmação está ligada à estória da minha antipatia pelo Esteva, pelo qual era o responsável. Nesse debate, jurou-me que haveria de o apreciar. Apostámos e ele ganhou.
.
Não é um vinho para o Verão, no sentido de consumo imediato e com viandas leves. Botem-lhe pratos mais elaborados e ele marca golos – esqueçam o cozido à portuguesa… mas rojões, talvez, talvez.
.
.
.
Azevedo Loureiro Alvarinho 2017
.
Origem: Vinho Verde
Produtor: Sogrape
Nota: 5,5/10
.
.
Quinta de Azevedo Reserva 2017
.
Origem: Vinho Verde
Produtor: Sogrape
Nota: 6,5/10
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.

Quinta de Pancas Arinto Reserva 2015 + Quinta de Pancas Chardonnay Reserva 2015 + Quinta de Pancas Reserva 2014 Cabernet Sauvignon Alicante Bouschet & Sirah + Quinta de Pancas Grande Reserva 2013

A Quinta de Pancas é uma propriedade de referência. O tempo vale o que vale e, neste caso, a memória está um pouco longe – parte por demérito e parte por Portugal ter conhecido uma explosão de bons produtores. Todavia, de há uns ano que se vê o esforço para a recuperação da fama e, felizmente, com resultados.
.
Fingindo perceber de técnicas agrícolas e enológicas, a lembrança e o presente dizem-me que só se fará mau vinho por vontade. Ficou conhecida pelo seu cabernet sauvignon.
.
O Quinta de Pancas Arinto Reserva 2015 é qualquer coisa de… adoro a casta e a propriedade tem um encanto…
.
.
O Quinta de Pancas Chardonnay Reserva 2015 está lindo. Aliando a gordura ao frescor do local. Belo.
.
O Quinta de Pancas Reserva 2014 Cabernet Sauvignon Alicante Bouschet & Sirah é. Não sei explicar. Sinto-o uma união – bom casamento – das diferentes cultivares além do que esperava.
.
O Quinta de Pancas Grande Reserva Tinto 2013 está num patamar acima. Ganhou complexidade com o tempo e penso que poderá crescer. É uma junção de touriga nacional (50%), alicante bouschet (30%) e petit verdot (20%).
.
.
.
Quinta de Pancas Arinto Reserva 2015
.
Origem: Regional Lisboa
Produtor: Quinta de Pancas
Nota: 6,5/10
.
.
Quinta de Pancas Chardonnay Reserva 2015
Origem: Regional Lisboa
Produtor: Quinta de Pancas
Nota: 6/10
.
.
Quinta de Pancas Reserva 2014 Cabernet Sauvignon Alicante Bouschet & Sirah
Origem: Regional Lisboa
Produtor: Quinta de Pancas
Nota: 6/10
.
.
Quinta de Pancas Grande Reserva 2013
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.

quarta-feira, agosto 01, 2018

Monólogo Arinto 2017 + Monólogo Avesso 2017 + Monólogo Chardonnay 2017

Monólogo à mesa é uma chatice. Mais dedos tenho nos dedos do que as celebrações jantarícias foram a só e mais vinho.
.
Por isso, acho graça quando se chama monólogo a um vinho. O termo é fácil de entender: monovarietais.
.
O Monólogo Avesso 2017 (mais) uma prova que esta casta foi maltratada. Quem não conheça, que! Fresco e gastronómica, além de simpatizar numa conversa sem tempo.
.
O Monólogo Arinto 2017 é… opá! Acho que a casta branca portuguesa que mais gosto é a arinto. Antigamente, no Minho chamavam-lhe pedernã. Não sei se a nomenclatura mudou, mas a designação «antiga» parece-me feia. É fresco, para a mesa e para a conversa.
.
Costumo rabujar com castas estrangeiras quando estão em denominações de origem tradicionais. Se passam para regionais, aí é diferente. Por isso, um chardonnay minhoto não me horroriza.
.
O Monólogo Chardonnay 2017 tem um simpático oscilar entre a gordura destas uvas e a acidez da região. Face a anos anteriores, gostei mais deste.


Monólogo Arinto 2017
.
Origem: Vinho Verde
Produtor: A&D Wines
Nota: 6,5/10
.
.
Monólogo Avesso 2017
.
Origem:
Produtor: A&D Wines
Nota: 6,5/10
.
.
Monólogo Chardonnay 2017
.
Origem: Regional Minho
Produtor: A&D Wines
Nota: 6,5/10
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.

Vila Flor Reserva Tinto 2015


A Casa d’Arrochella tem vindo a desenvolver um trabalho consistente. Na qualidade e na credibilidade. O Vila Flor Reserva Tinto 2015 cumpre o que se tem feito nesta firma do Douro.
.
O Vila Flor Reserva Tinto 2015 fez-se com três das principais casata da região: touriga nacional, touriga franca e tinta roriz. O vinho estagiou nove meses em barricas de carvalho francês.
.
É o Douro.
.
.
Origem: Douro
Produtor: Casa d’Arrochella
Nota: 7/10
.
.
.
Nota: Este vinho foi enviado para prova pelo produtor.

terça-feira, julho 31, 2018

Portalegre 2015


Os vinhos Portalegre fazem parte da minha história. Quando comecei a levar este óbi mais a sério, estes faziam parte do catálogo de preferências.
.
A Adega Cooperativa de Portalegre afundou-se, como muitas outras. Renasceu como Adega de Portalegre Winery, que tem à frente Manuel Rocha, que bom trabalho fez na Companhia das Quintas e na Adega Cooperativa de Borba.
.
É um projecto novo, com uma designação algo diferente, com um gestor reconhecido… São vinhos diferentes, aqueles que agora lá se fazem
.
Porém, o prazer que me deu Portalegre 2015 lembra-me – embora não seja nostálgico – um tempo em que tudo me é diferente. Não é igual – como se pudesse ser – mas está cá a memória.
.
Este fez-se castelão, aragonês, trincadeira, grand noir e alicante bouschet. Estagiou 18 meses em barricas de carvalho francês.
.
.
.
Portalegre 2015
.
Origem: Alentejo
Produtor: Adega de Portalegre Winery
Nota: 7,5/10
.
.
.
Nota: Este vinho foi enviado para prova pelo produtor.

Portal do Minho Alvarinho e Trajadura 2016 + QM Nature Alvarinho 2016

Durante muitos anos – demasiados – os produtores da sub-região de Monção e Melgaço andaram a vender alvarinho em vez do seu território. Tiro corrigido. Bom nome dá o QM Nature Alvarinho 2016.
.
Aqui, o alvarinho é o alvarinho que dá fama e merece proveito. Belíssimo vinho!
.
.
.
Portal do Minho Alvarinho e Trajadura 2016
.
Origem: Vinho Verde
Produtor: Quintas de Melgaço

Nota: 7,5/10
.
.
QM Nature Alvarinho 2016
.
Origem: Vinho Verde
Produtor: Quintas de Melgaço
Nota: 7,5/10

segunda-feira, julho 30, 2018

Periquita Branco 2017 + Periquita Rosé 2017 + Periquita Tinto 2016 + Periquita Reserva 2016


Um é um clássico – aqueles que são mesmo clássicos, que embora tenham vindo a evoluir na forma, vem de 1850. Os outros são mais recentes, mas arcam com o peso da marca.
.
O Periquita Branco 2017 fez-se verdelho, viosinho, viognier e sauvignon blanc. É mesa e é conversa. Gosto disto!
.
Esquecendo aqui o ano e referir apenas a referência, é rosé que me desgosta. Com tanta gente a elogiá-lo, o erro será meu. Por auto-sugestão, por derrota, por convencimento ou por alteração do «coiso», o Periquita Rosé 2017 deu-me alegria.
.
Se das outras vezes lhe puxei a nota para cima – reconhecendo a qualidade pelo que compensando na avaliação – desta vez é por inteiro. A bem dizer está nos 4,5 por mérito e não por correcção. Fez-se com touriga nacional, castelão e aragonês.
.
O Periquita Tinto 2016 é o chefe da casa, aquelo que arca com mais de 100 anos de história. Por isso, todo o cuidado não é demais, pois sustenta os irmãos. Ano a após ano, nunca desilude.
.
O Periquita Reserva 2016 está uns danoninhos acima. Gosto muito! Fez-se com castelão (56%), touriga nacional (22%) e touriga francesa (22%) – casta assim dita como mestre Domingos Soares Franco defende e que muito provavelmente com razão.
.
Ah! Este vinho foi à madeira, oito meses em barricas de carvalho francês. Heresia! Parece-me que hoje só os vinhos sem estágio em madeira é que são bons.
.
.
.
Periquita Branco 2017
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 5/10
.
.
Periquita Rosé 2017
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 5,5/10
.
.
Periquita Tinto 2016
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 6/10
.
.
Periquita Reserva 2016
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 7/10
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.

Marquês de Borba Branco 2017 + Pouca Roupa Branco 2017

O Verão é! Não vale a pena complicar. Vinhos fáceis – nada de pejorativo, antes pelo contrário – para a comida leve que apetece nesta estação e/ou para a conversa.
.
Como habitualmente, não penalizo bons vinhos que não goste. Em coerência, não inflaciono aqueles mais apetitosos. Como aqui mando eu – sou prepotente – a antão vaz é casta penalizada!
.
O Marquês de Borba Branco 2017, junção de arinto de antão vaz e viognier, é para ser bebido à mesa.
.
Já o Pouca Roupa Branco 2017 bebe-se em qualquer parte. Gosto mesmo! É uma aliança de verdelho, sauvignon blanc e viosinho.
.
Aparentemente, face ao que escrevi, as notas não parecem coerentes. Isto deve-se ao reconhecimento de que são vinhos com trabalho diferenciado, em que o primeiro obrigou a um esforço superior… a antão vaz…
.
.
Marquês de Borba Branco 2017
.
Origem: Alentejo
Produtor: João Portugal Ramos
Nota: 4/10
.
.
Pouca Roupa Branco 2017
Origem: Regional Alentejano
Produtor: João Portugal Ramos
Nota: 4,5/10
.
.
.

Nota: Este vinho foi enviado para prova pelo produtor.