domingo, abril 27, 2014

José Maria da Fonseca apresenta gama de brancos: Quinta de Camarate Branco Seco 2013 – Quinta de Camarate Branco Doce 2013 – Branco Seco Especial (BSE) 2013 – Periquita Branco 2013 – Montado Branco 2013

Disse 5.000.000.000 (mil milhões, não é bilião) que este blogue reflecte gosto, que as provas não são científicas, que normalmente são avaliados em convívios (sempre agradáveis, graças a Deus), assumidamente apaixonado ou zangado, influenciado por quem os faz ou pela sua história. Nunca penalizando (em demasia) vinhos bem feitos.
.
Isto a propósito de gostar da equipa da José Maria da Fonseca e de lhe reconhecer competência e imaginação. Do rapaz inquieto, imaginativo e irreverente que manda na enologia. Gosto muito dos vinhos da casa, embora já tenha dado notas, embora positivas, que não transcendem (veja-se o caso do Colecção Privada Domingos Soares Franco Moscatel Roxo).
.
E julgo que, apesar deste afecto, serei justo na avaliação.
.
Tinha de ter este desabafo, até por uma razão. Eu, que sempre disse marimbar-me para aquela coisa subjectiva da relação entre a qualidade e o preço, tenho de manifestar que nesta colecção há (quase) pechinchas. Bem, descontem o que quiserem da subjectividade do meu apreço pela equipa da empresa.
.
Começo pelo mais óbvio, aquele que une gerações. Regular, com perfil assente, indicado para o consumidor que quer marca e não añada (como dizem os espanhuelos). Uma regularidade implica saber técnico apurado – e estou a falar duma realidade de 200.000 litros. Qualquer mexida, para acompanhar o gosto ou moda, tem de ser feita com muito cuidado, para que o ganhar de clientes não faça perder os que já tem.
.
Refiro-me ao BSE. O BSE é (dos poucos em Portugal) que é uma instituição. BSE é BSE. Ponto final, parágrafo.
.
Vai bem com quase tudo, acompanha ambientes, não deslumbra, mas nunca desilude. Fez-se com antão vaz (a maldita – 45%), fernão pires (33%) e arinto (22%). O arinto dá uma frescura que amaina a antão vaz. Confesso que nunca pensei que essa «coisa» lá estivesse metida. O fernão pires há-de ter uma função qualquer, mas, como não sou engenhêro, mantenho-me calado.
.
Outro óbvio é o Periquita Branco 2013... Quando saiu o primeiro Periquita amarelo fiquei triste, pois tinha de ser vermelho carregado, como sempre foi. Passado o amuo, reconheço-lhe virtudes. Acho-o menos polivalente que o BSE, mas mais convidativo para a mesa.
.
O Periquita Branco 2013 fez-se com verdelho (64% – acho que o mestre Domingos tem uma paixoneta por esta casta), viosinho (14%) e viognier (22%). É um vinho menos neutro e menos óbvio que o BSE, mas não lhe tenho o mesmo amor.
.
O Montado Branco 2013 foi o da colecção que menos alegria me deu. Mas fiquei a saber que existe uma casta chamada «alva». Sem indicação de percentagens, além da alva, fez-se com tamarez e rabo de ovelha.
.
A cena tropical, para mim, fica-se pelas camisas dos americanos nos cruzeiros e na Florida, pelos calções de banho (tipo cueca de gola alta) e pelos chinelos de enfiar o dedo (flip flop – termo anglo-saxónico, onomatomeia certeira).
.
Pois o ananás, manga, melão, leve maracujá e limão... epá! Não é a minha praia. Deve ser para muita gente, ou não houvesse tantos vitivinicultores a apostar nos trópicos. Como diz o tipo do vídeo do skate: «sai da frente, Guedes»!
.
Diverti-me larguete com o Quinta de Camarate Branco Seco 2013... e aqui há tropical... mas não o tropicalzinho. É muito fixe. Feito com uma casta fora do sítio, a alvarinho (50%), que lhe dá «doçuras» e fruta, e verdelho (50%) que lhe levanta o ânimo.
.
Mas curtir, assim mesmo com os pés na areia, mergulhos, pirolitos, regresso ao poiso, amêijoas, mergulho... piscina tem menos piada. O Quinta de Camarate Doce 2013 é dos vinhos que mais me divertiu dentro dum espaço de tempo razoável.
.
Quero lá saber da Troika... o PSI 20 está em queda?... O Belenenses perdeu? O João Galamba foi vítima de mais um triste espectáculo?... amêndoas fritas, amendoim salgado, camarões (arriscaria), amêijoas (arriscaria muito)... Sol, praia, férias, festas até de manhã... é um Verão!
.
Tropical (ai), mas complexo. Não é uma fruta, nem duas... e com frescura. Divertidíssimo! Calhou-me tão bem... Pois tomem lá os aromas: lima, limão, laranja, manga, banana, melão, alperce, lichias, flor de laranjeira (talvez seja confusão com outros citrinos), erva cortada... e na boca, o doce é agradável, não me enjoou nada. Com bom final, a atirar-se ao alongamento... eu que não me meto em preços nem aos valores recomendados pelos produtores...
.
Até me lembrou festas na praia ou a maluquice das discotecas ao ar livre, em Sevilha, a dançar músicas kitsch, como só os espanhóis sabem fazer, e que divertem-me horrores.
.
Mas mais justo, com os citrinos é o Brasil... quero!
.
No fim segue um vídeo, é de homenagem a este vinho.
.
video


Branco Seco Especial (BSE) 2013
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 5/10
.
.
Periquita Branco 2013
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 5/10
.
.
.
Montado Branco 2013
.
Origem: Regional Alentejano
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 3,5/10
.
.
Quinta de Camarate Branco Seco 2013
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca:
Nota: 5,5/10
.
.
Quinta de Camarate Branco Doce 2013
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Produtor: José Maria da Fonseca
Nota: 6,5/10
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.
.
Nota: Música de Fernanda Porto com DJ Patife

Sem comentários: