sábado, Agosto 30, 2014

Adega de Borba Premium Branco 2013

Porem-me a gostar dum vinho com antão vaz é feito. Este compadri tein-ín e nã me fez muito mali.
.
A Adega de Borba tem vindo a mostrar uma grande consistência nos seus vinhos. Ser-se regular não é bom nem é mau, pois pode ser as duas coisas. Pois a Adega de Borba tem vindo a mostrar uma bela regularidade e com tendência crescente.
.
Já se sabe que vai levar uma aparadela por causa do antão vaz – lamento, a casta complica-me com o olfacto e o paladar. Convém dizer que está amparada pelas outras que compõem o lote: arinto, verdelho e alvarinho.
.
A ficha técnica não especifica a percentagem de cada uma das castas, mas a frescura deve muito à arinto. O verdelho tempera muito bem, a alvarinho dá gulodice...
.
É um vinho frutado, mas não é a cesta da fruta. Maçã granny smith, notas de banana, abacaxi, pêssego (julgo que vem da alvarinho) podia ser mais moderado. Não escrevi nos meus apontamentos, mas quando agora escrevo vem-me à cabeça uma passagem de melão... pôs que nã sê.
.
Resultado harmonioso, prazenteiro na boca. Vinho para todo o ano.
.
Conforme os princípios assumidos, em que a apreciação é assumidamente subjectiva e obedecendo apenas ao meu gosto pessoal, mas não pretende penalizar, só porque não gosto, vinhos que outros poderão considerar acima... a minha nota final estará meio ponto a um ponto abaixo do que merecia o vinho se fosse menos narcisista e cioso das minhas preferências. Não é preciso ser-se bruxo... antão vaz.
.
.
.
Origem: Alentejo
Produtor: Adega de Borba
Nota: 6,5/10

Trinca Bolotas 2013 + Vinha do Monte Rosé 2013

Epá! Que delícia! Encantei-me. Um temperamento tão easy going... não gosto e não costumo estrangeirar, mas aqui tem de ser, porque é um vinho capaz de agradar em todo o mundo.
.
Ser fácil (é!) e haver muito (julgo que sim!) não são sinónimos de não prestar – quem duvida que vá ver os números de Champanhe e das grandes casas. Aquelas duas características que apontei têm uma – de várias razões – competência enológica. Ponto!
.
Apesar do que disse, a verdade é que «fácil» normalmente significa desinteressante. Fazer-se muito é habito ser medíocre. É um vinho muito fácil e bom prazer me deu.
.
Não é um grande vinho e nem será essa a ideia. É um vinho tinto muito agradável, equilibrado, que vai bem, no Verão, num jantar menos leve e que acompanha comidas te tempos mais frescos.
.
Este vinho nasceu na Herdade do Peso, em Pedrógão, concelho da Vidigueira. As castas do seu lote são: alicante bouschet (44%), touriga nacional (40%) e aragonês (16%).
.
É um tinto jovem, muito frutado, mas sem que nem morangos, amoras, framboesas, mirtilos e ameixa tenha esmagado a outra. Como é fresco, não é compota para barrar no pão.
.
Duas coisas que não têm nada a ver: o nome é «MUINTA GIRO» e o rótulo muito simpático. Penso que a Sogrape, da produção ao marketing, passando pela agência que concebeu a face estão de parabéns.
.
No dia em que foi apresentado, serviram um Vinha do Monte Rosé 2013 que é 120% Verão. Também ele fácil... embora em patamar mais abaixo do Trinca Bolotas.
.
.
.
Trinca Bolotas 2013
.
Origem: Alentejo
Produtor: Sogrape
Nota: 7/10
.
.
Vinha do Monte Rosé 2013
.
Origem: Regional Alentejano
Produtor: Sogrape
Nota: 5/10
.
.
.
Nota: Não sei qual é a fixação dos produtores em escrever aragonês com grafia do século XIX (aragonez), que foi o tempo de maior confusão da língua portuguesa, pelo menos na matriz europeia.

sexta-feira, Agosto 29, 2014

Programa de vindimas na Quinta do Pôpa

A Quinta do Pôpa organiza, a partir de 20 de Setembro e pela terceira vez, o programa «Vindimas à do Pôpa». A iniciativa começa às 10h30 e só termina no final do dia. A experiência tem um valor de 60 euros por pessoa.
.
O programa inclui visita às vinhas e escolha das uvas para colher, participação na pisa da uva nos lagares e degustação de vinhos da Quinta do Pôpa e de produtos regionais. Esta iniciativa é organizada para grupos de entre dez e 25 pessoas, sujeito a reserva, através do número de telefone 916 653 442 ou do endereço de email turismo@quintadopopa.com

The Drink Business premeia rosé da José Maria da Fonseca

A revista The Drink Business considerou o vinho Colecção Privada Domingos Soares Franco Moscatel Roxo Rosé 2013, da José Maria da Fonseca, como o quinto melhor no seu concurso de vinhos rosés com preço acima das dez libras (cerca de 12,6 euros a cotação de 29 de Agosto). Este vinho obteve 85 pontos, recebendo medalha de prata.

Vinho Verde Wine Fest de 4 a 7 de Setembro no Porto

A primeira edição do Vinho Verde Wine Fest chega à Alfândega do Porto, entre 4 e 7 de Setembro, com exposições, provas de vinhos, gastronomia, enoturismo, provas comentadas, demonstrações de culinária e animação musical com DJ.
.
Os chefes participantes são Alexandre Rosa, Álvaro Costa, Daniel Gomes, Elísio Bernardes, Flávio Silva, Hélder Martins, Inês Diniz, Manuel Almeida, Pedro Silva, Rogério Gago, Romy Carvalho, Rui Martins, Sílvio Martins, Vítor Sobral e Harish Joshi. Estes 15 cozinheiros irão criar harmonizações com Vinho Verde.
.
A iniciativa, da responsabilidade da Comissão Vitivinícola Regional dos Vinhos Verdes, pretende assinalar o 106º aniversário da demarcação, que se concretiza a 18 de Setembro.
.
Do programa constam harmonizações de Vinho Verde com queijos frescos, queijos curados, aguardentes e chocolate, além de provas de vinhos da casta alvarinho e acções de formação.

Schwepps lança nova tónica

A Schweppes lançou uma nova água tónica. Trata-se dum produto premium, Schweppes Tónica Flor de Laranjeira e Lavanda. A novidade está integrada na gama Sshweppes Premium Mixers. Esta marca, criada em 1783, recomenda-a para gins London Dry.

Esporão no Jardim Sonoro

A primeira edição do LISB/ON #Jardim Sonoro traz a música para o centro da cidade de Lisboa, em plena luz do dia. O evento decorre a 6 e 7 de Setembro, entre as 13h00 e as 23h00, nos jardins do Parque Eduardo VII, em Lisboa. A vinícola Esporão (Alentejo e Douro) associação ao evento, onde terá um wine bar.

Adega Vila Santa abre ao público

A Adega Vila Santa, em Estremoz, abriu as suas portas ao público. O programa de actividades é composto por visita às caves, caminhada nas vinhas, passeio pela zona histórica de Estremoz. A estas propostas, somam-se provas de vinhos e almoços de gastronomia do Alentejo. O número mínimo é de oito pessoas. Os interessados devem contactar através do endereço de email marketing@jportugalramos.pt ou pelo número de telefone 268339910.

quinta-feira, Agosto 28, 2014

José de Sousa Tinto Velho 1940 e o seu tempo

Olá! Poderia colocar a crónica sobre este vinho aqui no blogue. Porém, o texto é praticamente uma evocação da época. Do vinho escrevi pouco.
.
Todavia deixo a ligação directa para o infotocopiável. José de Sousa Tinto Velho 1940 e o seu tempo.

quarta-feira, Agosto 27, 2014

Mário Sérgio celebra 25 anos da Quinta das Bágeiras

Mário Sérgio (Alves Nuno) nasceu na Bairrada e numa família com vinhas. Lembro-me quando o visitei pela primeira vez, contou-me que houve camponesas a queixarem-se ao pároco por causa da monda de cachos. Desperdício de alimento é pecado!
.
Este bairradino assinalou 25 anos como vitivinicultor e chamou, à aldeia da Fogueira, amigos, familiares e jornalistas. Lá a meio do convívio rasgou um sorriso e deu-me um abraço:
.
– Epá! Já nos conhecemos há uma data de anos.
.
Pois já! Fui em reportagem pelo programa «Da Terra Ao Mar» (RTP 2 – domingo às 11h00) – era muito mal pago, mas foram os anos profissionais que mais gostei de viver. Dez anos! O texto da reportagem data de 13 de Outubro de 2004, pelo que a visita deve ter acontecido em finais de Setembro ou no início do mês seguinte. Não me lembro se estava em vindimas.
.
O vinho é uma complexa criação humana, com várias nuances e significados, seja directos, seja indirectos:
.
– Alimento de alimentar, alimento de comida, objecto sagrado, droga social (álcool) do Ocidente, com ele se brinda ao amor, se afogam desamores, se celebra o Natal, o Ano Novo, a Páscoa, os aniversários... A grosso modo, pois assume ainda mais contornos e funções...
.
A Bairrada é uma região especial. O consumidor contemporâneo, que usufrui sem chegar a ser enófilo, não a compreende muitas vezes. Uma região que nem muitos bairradinos a entendem.
.
Lá vem a polémica das castas (tem de ser): uma denominação de origem tem de ser tradição. A evocação duma denominação de origem não significa maior nem menor qualidade do que menção «regional». Quanto a mim, cada um planta o que quer, seja qual for a razão e critério. Custa é ler num rótulo Bairrada (ou outra) menções a cabernet sauvignon, merlot, viognier, sauvignon blanc ou outra qualquer – por muito bons que sejam os vinhos. Desde já afirmo que gosto mesmo muito dos néctares de Carlos Campolargo, mas há alguns que, no meu conceito de região, não deviam ser classificados como Bairrada. Bem, assunto encerrado. Entendam-se, organizem-se e tenham sucesso.
.
O Mário Sérgio é um rosto da tradição. Se transgride é ligeiramente e pontualmente. Os Quintas das Bágeiras são mesmo Bairrada! O seu enólogo Rui Moura Alves, homem que se formou e doutorou sozinho – grande valor.
.
A publicação desta crónica está atrasada – como as que recentemente saíram e as que estão na calha. O que talvez seja uma vantagem, pelo distanciamento face a 10 de Julho, quando se deu a festa e o lançamento de três vinhos de homenagem.
.
Visitar Mário Sérgio implica ganhar peso. Não há volta a dar. O vinho é rico em calorias e o leitão é pecaminoso. O Mugasa – a par da Casa Vidal – faz o melhor leitão da Bairrada que conheço. O nosso vinhateiro tem forno e uma relação de amizade próxima com o proprietário e assador do Mugasa.
.
Garantidamente leitão. Leitão português e bairradino (não sei se bísaro). Assado com lenha de videira. Os leitões do Mugasa abrem a porta para o paraíso gastronómico... ou seja, vai toda a gente parar ao Inferno.
.
Nesta celebração dos 25 anos, Mário Sérgio apresentou os vinhos Quinta das Bágeiras Pai Abel Branco 2012, Quinta das Bágeiras Pai Abel Tinto 2009 e Quinta das Bágeiras Avô Fausto Tinto 2010.
.
Tratando-se de vinhos de homenagem não os classificarei. O Quinta das Bágeiras Pai Abel Branco 2012 resulta dum lote de maria gomes e bical. O Quinta das Bágeiras Pai Abel Tinto 2009 é composto por baga (80%) e touriga nacional. O Quinta das Bágeiras Avô Fausto é formado por uvas baga (90%) e touriga nacional.
.
Grandes vinhos da Bairrada. Grandes vinhos em qualquer lugar em que haja quem saiba apreciar. A Bairrada não é a Disneylândia.
.
Mário Sérgio teve (obrigatório) de subir a uma cadeira e discursar. Improvisou e emocionou-se. Por tudo destes 25 anos.
.
Que venham mais 75!