ponto de ordem à mesa

O mundo gira e dá voltas. Teimosamente às voltas. Pensava que o joaoamesa.blogspot.com estava morto ou, pelo menos, em estado de coma. Ou pior, sem qualquer sinal vital, ligado à blogosfera por nostalgia e arquivo. Mal morto, o blogue mantém o endereço, mas muda de título.

segunda-feira, maio 25, 2015

Quarta edição do Festival do Vinho do Douro Superior

O meu queixume faz sorrir quem vive num país grande. Lisboa dista de Foz Côa 390 quilómetros e diz o Google que se percorrem em pouco mais de três e meia… suspiro quando penso no que não importa.
.
Fui na sexta-feira e regressei ontem do Festival do Vinho do Douro Superior, organizado pela Revista de Vinhos para o município de Foz Côa.
.
Participei como jurado do concurso do festival, que, mais uma vez, se distinguiu por uma grande qualidade dos vinhos em prova.
.
O melhor vinho branco foi Bons Ares 2003, da Ramos Pinto. O Duorum Vinhas Velhas Reservas 2012, da Duorum Vinhos, ganhou nos tintos. Nos generosos, o vencedor foi o Vinho do Porto Quinta da Ervamoira Vintage 2005, da Ramos Pinto.
.
Mais informações sobre o concurso podem ser obtidas no sítio da Revista de Vinhos.

quinta-feira, maio 21, 2015

Bebei Babel

.
Não sei as vezes que escrevi palavras alinhadas, mais ou menos, como estas. Sei que as envio repetidas para algumas pessoas. Lamento, mas…
.
Quando a vergonha se acanha e, de tão atiçada, se faz forte, põe as garras de fora e luta, porque a sobrevivência é mais fácil do que a pobreza.

A notícia correu à velocidade das pernas e do boca-em-boca, na época não existiam nem telefone, muito menos telemóveis nem se sonhava com os falecidos peigeres, nem telégrafo, nem telexes, nem imailes, nem ésse-éme-ésses, nem éme-éme-ésses, nem internete, nem rádio-telefonia, nem televisão, nem ualquitolquies… havia palavra escrita, mas não jornais. Podiam fazer-se sinais de fumo, mas naquelas terras não se usavam.
.
Soube-se pela velocidade dos passos e destreza da boca: caiu a Torre de Babel.
.
Agora que há todos os meios que citei é rápido informar que a minha obra-prima nem se conseguiu erguer.
.
Ora tentem fazer uma torre de vinho.
.
.
.
Nota: Pintura de Albert Anker.

quarta-feira, maio 20, 2015

Fazer vinho é canja mas galináceos não fazem parte dos lotes

.
Chrétien de Toyes escreveu e fez-se o Graal.
.
José de Arimateia levou-o e o tempo perdeu-o. Achá-lo só os puros e de merecimento. Sir Galahad, Sir Bors e Sir Percival conseguiram.
.
O Graal desapareceu. Se está escrito, existe. A letra impressa não mente.
.
Muito mais antiga é a demanda da Pedra Filosofal. Tão antiga que, pelos artifícios da alquimia, se descobriram verdades de ciência.
.
Antiga e já conseguida. Cientistas conseguiram fabricar ouro. Ouro que vale mais do que ouro, só um trilionário sem juízo compra esse metal. A natureza vende mais barato...
.
Se bem que o conseguimento não é bem um concretizamento. A Pedra Filosofal tem de transformar em ouro qualquer metal plebeu; os sábios apenas conseguiram fazê-lo e não que consiga metamorfosear qualquer calhau.
.
Ah! O mais prosaico… o Elixir da Eterna Juventude. A morte chega a todos e assusta muita gente. Também os poderosos do mando falecem e temem o dia em que a gadanha os faça fechar os olhos.
.
Com o ouro pagaram a homens de ciência e virtude. Como nos contos das «Mil e Uma Noites», a habilidade estava em conseguir manter o patrono entretido, acreditando que os progressos se faziam.
.
Aldrabão e famoso, o alquimista era chamado à Corte. O ouro tão perto, puro veneno. A cobiça e o pesadelo. A maior competência não era fabricar vida, mas não criar a morte. Ter as perícias para progressos e um sofrimento esperançoso por não ter tido ainda sucesso.
.
A vida eterna é no Além. Ou… a espada, cutelo, machado, garrote, forca ou. O fabuloso mercúrio. O mortal mercúrio.
.
Todos os mestres foram um dia aprendizes, mais tarde ainda esperaram como oficiais. Entre os mestres, uns melhores do que outros – nunca esquecendo que dois mais dois podem não ser cinco.
.
Johann Wolfgang von Goethe poemou «O Aprendiz de Feiticeiro», que não poderei ser. Acreditei nos livros das ciências sem mestre e montei um laboratório com os ingredientes e ferramentas, sabendo colher dos mestres o conhecimento aproveitável, vinho monovarietal engarrafado.
.
Em segredo comprei as essências e pela noite até de manhã nada mais fiz do que procurar o Graal, a Pedra Filosofal e o Elixir da Eterna Juventude.
.
Vinho!
.
Não sei que horas eram quando finalizei a poção. O melhor vinho do mundo!
.
Engarrafei-o em frascos de perfume de sete decilitros e meio, devidamente rolhados. Sobre o todo, lacre, como antigamente.
.
Exausto adormeci, sonhando com Xerazade, Isolda, Julieta, Dulcineia, Dinamene, Bela Adormecida e Maria Carolina de Bourbon Duas Sicílias.
.
Ainda fatigado, revelei o vinho – Elixir da Eterna Juventude, Pedra Filosofal e Graal.
.
Não tentem fazer isto em casa. Dos vários escolhidos, enófilos de escol ou só de folia, recebi um quase unânime:
.
– Não é bom. Acho que nem é propriamente mau, é muito esquisito.
.
Houve um que sentenciou:
.
– É uma grande…
.
Se tivesse sido um êxito, não revelaria a fórmula. Para memória de chacotas futuras, deixo a composição:
.
Encruzado (15,3%), arinto (15,3%), chardonnay (15,3%), touriga franca (15,3%), alicante bouschet (15,3%), loureiro (7,7%) touriga nacional (7,2%), alvarinho (5,7%) e syrah (2,9%).
.
Era suposto ser palheto, mas só consegui tinta de escrever, mas em encarnado.
.
Com as sobras aproveitáveis criei uma pujança, uma espécie de tiro da Big Bertha, por isso dei-lhe a alcunha de Thor. Alvarinho (40%), syrah (33,4%) e touriga nacional (26,6%). Um pouco mais bronzeado do que o anterior, e mais bebível.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Nota 1: Por incapacidade da caixa de etiquetas, deixo aqui a relação dos artistas cujas obras tiveram a infelicidade de ilustrar o meu vinho... Lawrence Alma-Tadema, Paul Delvaux, André Derain, Ticiano, Constant Troyon e Mårten Eskil Winge.
.
Nota 2: A imagem principal designa-se por «O Alquimista» e é de autoria desconhecida, mas enquadrável no género alemão, estando datada de 1880.





sexta-feira, janeiro 16, 2015

Siza 2009 – muito mais do que um vinho

.
A crónica é sobre vinho, garanto! Contudo, há mais coisas para escrever. Quem não quiser ler além do estritamente vínico que salte para onde o texto retoma a sua cor habitual.
.
.
.
Tenho uma frustração: não segui belas artes. No tempo em que estava no liceu – Escola Secundária Gil Vicente – a minha primeira opção para prosseguir os estudos era pintura. O design atraía-me e a escultura nem por isso. Sonhava também com casas, mas arquitectura estava fora de opção.
.
Acabei por desistir por causa de três cadeiras absolutamente inúteis para quem quer seguir pintura, design de comunicação ou escultura: matemática, física e química. Nunca percebi por que haveria de ser flagelado se quem ia para letras estava dispensado – aliás, a única via em que o terror estava ausente.
.
Anos depois compreendo a minha frustração. O sentido de justiça e a falta de lógica toldavam-me a razão. Birra?... Penso que não. Olhando para esses anos e relativizando, percebo que seria justo que todas as hipóteses pedagógicas deveriam ter matemática. Isso, só por si iria fazer prosseguir os estudos sem ser por fuga.
.
Mudei-me para letras – sem sacrifício, pois a escrita e a história sempre estiveram comigo como as artes plásticas. Não me sinto ou senti frustrado, propriamente, apenas desgostoso. Nunca fui bom aluno a matemática, desde a primeira classe. Até ao nono ano safei-me à tangente.
.
No décimo e décimo primeiro a loiça era outra. Dizia-me uma Professora (com «p» bastante grande) que não compreendia como era possível ter as notas que obtinha, quando era o primeiro ou dos primeiros a entender a matéria.
.
Na verdade, esses patamares de matemática foram, em toda a minha vida escolar, os que melhor entendi em números. Porém, a minha vocação era tão grande, que o resultado era em linguagem binária: 0 e 1 – zero e um!
.
Tive explicadores e ajudas familiares. Entendia, tudo bem. Porém, chegada a véspera do teste todo o conhecimento se evaporava. Entendo hoje, a reacção psicológica… ter matemática, física e química não tinham lógica nem função. Já a geometria descritiva não me causava dores… fazia sentido para o futuro que ambicionava.
.
Acabei por mudar de área vocacional. Cheguei ao 12º ano com 19 anos. Um professor – professorzeco, com «p» minúsculo – de filosofia gostava muito de ser gozão. Mas gozo humilhante. Na primeira aula decidiu tentar enxovalhar-me, por causa da idade com que chegava ao último ano do secundário.
.
No final, dirigi-me a esse senhor – baixinho de altura e carácter – e enfrentei-o. Baixou os olhos e engasgou-se ligeiramente. Pelos vistos, nenhum aluno o enfrentara nos olhos e o contestara. Expliquei-lhe por que tinha 19 anos e ia terminar o ano lectivo com 20.
.
Rancoroso, ainda tentou ensaiar alguns achincalhamentos. A minha resposta visual recuavam-no e seguia a tentativa de humilhação para outro aluno. Sempre muito capaz nas coisas das letras e com leituras acertadas, espantei-me quando saiu a nota da primeira avaliação: 2,5 valores.
.
Percebi que não podia permanecer com o sujeitinho como professor. Anulei a matrícula e candidatei-me a exame nacional: 16 valores. Nas provas de admissão à faculdade, outros 16 valores. Confirmei o quanto era pequenino esse sujeitinho, que era professorzinho.
.
Com demasiado tempo livre, na altura o 12º apenas tinha três cadeiras (hoje não sei) e eu tinha anulado uma, tornei-me jornalista em Janeiro de 1990, no Diário Económico. Cresci imenso e fiz-me mais crescido, mimetizando os mestres.
.
Tardei em acabar o curso de história, e cedo percebi que não o iria utilizar, e cá continuo às voltas com reportagens, sobretudo. Disciplina maior do jornalismo, que tenho o privilégio de exercer regularmente.
.
As artes não morreram. Ainda hoje desenho e pinto, com frequência insuficiente. Quem olhar para o blogue preto perceberá que a arte vive-me e que a uso não como ilustração, mas como complemento do texto, em diálise – embora haja situações em que são ilustrações e noutras em que a ilustração é o texto, em forma de legenda.
.
Teimo em gostar de arquitectura e dou-me a liberdade de a julgar. Não tenho habilitações académicas ou de tarimba, mas se todos podemos discutir literatura, música ou cinema, por que não arquitectura?!
.
Bem, a arquitectura não é uma ciência artística, embora alguns arquitectos e paisanos pensem que sim. A arquitectura, como o design ou a enologia, é saber técnico. A estética vem por acréscimo – certo disso é que nunca aspirei a seguir arquitectura, licenciatura que, à época, era ministrada nas faculdades de belas artes. Tanto quanto sei, hoje está enquadrada em universidades técnicas.
.
Sendo arte ou ciência técnica, a arquitectura pode ser discutida pelos curiosos e ignorantes, como tudo. Viva a liberdade! Álvaro Siza Vieira é um dos melhores arquitectos do mundo, vencedor do Prémio Pritzker, referente a 1998, pelo Pavilhão de Portugal na Exposição Internacional de Lisboa. Aquela pala é fantástica e espero que o engenheiro – deve ter passado semanas acordado – que fez os cálculos estruturais tenha ganho também um troféu, não consegui apurar.
.
Nas minhas liberdades de discussão de arquitectura, afirmo que detesto o trabalho de Álvaro Siza Vieira. Em parte é para chatear a minha prima, Maria Carolina Palma, que exerce e tem nesse arquitecto do Porto um marco de referência.
.
Um dia disse-lhe desastradamente:
.
– A arquitectura do Siza Vieira não é gira!
.
Deu-me uma resposta em forma de tiro de canhão:
.
– Giros têm de ser os brincos.
.
Assunto arrumado.
.
Na verdade, o que me chateia na obra de Siza Vieira é a obsessão pelo branco. Não é a síntese do traço ou o conceito dos edifícios. É o branco, que se torna melancólico. Para melancólico basto eu!
.
É certo que são conhecidas bizarrias, (birras) e teimas. Quem as não tem? Tratando-se de trabalho (técnico) criativo, Siza Vieira tem todo o direito de defender a sua estética e de a exercer.
.
Não vou enumerar o que gosto e não gosto nos edifícios de Siza Vieira, digo somente que o Pavilhão de Portugal é uma construção que o mundo merece ver, nem que seja em fotografia.
.
Tenho tido a possibilidade de ver e tocar desenhos, em liberdade, de Álvaro Siza Vieira, nomeadamente na Quinta do Vale Meão. À solta, em rótulos ou por aí, os traços agradam-me muito.
.
Enófilo, já se percebeu, tem concretizado adegas e rótulos. A Adega Mayor, em Campo Maior, é um objecto para se ver. O rótulo que se mostra no vinho que Rui Azinhais Nabeiro – homem dos maiores que Portugal deu à luz – é duma simplicidade, ou síntese, arrasadora.
.
.
Tratando-se dum vinho de homenagem, o Siza 2009, não o irei classificar com uma nota redutora, ainda que assumidamente subjectiva e excêntrica. Não tenho esse direito. É uma homenagem que um amigo fez ao outro.
.
Bonito – como os brincos que a minha prima me atirou à prosápia – o rótulo não é uma ilustração, mas parte integrante dum objecto que se faz também de vinho. O vinho, pretexto para esta crónica, é obra dos enólogos Paulo Laureano, o chefe, e Rita Carvalho, que tenho pena ter deixado de exercer.
.
O que é este Siza 2009? É um abraço alentejano, que a casta alicante bouschet deu o corpo e o espírito. É um alentejano verdadeiro. É um vinho escuro, que se reflecte na cor do rótulo e se aviva no branco que Siza Vieira tanto aprecia.
.
Não quero falar em descritores, que são coisas a que não dou um valor determinante. Porém sublinho o cacau e a potência educada como se revela na boca.
.
Produziram-se apenas 2.500 garrafas. Ainda bem que são poucas, pois acrescentam valor ao desejo de o beber. Álvaro Siza Vieira e Rui Azinhais Nabeiro merecem um vinho destes.
.
.
.
Origem: Regional Alentejano
Produtor: Adega Mayor
Nota: X/10

Pala da Lebre Branco 2013

.
A crónica é sobre vinho, garanto! Contudo, há mais coisas para escrever. Quem não quiser ler além do estritamente vínico que salte para onde o texto retoma a sua cor habitual.
.
.
.
Vinho sem emoção tem interesse? Talvez tanto quanto quando é bebido por beber. Os momentos fazem os vinhos. Nem sempre os vinhos fazem os momentos. Viver é muito mais do que prazer e ter um só prazer sabe-me a poucachinho.
.
As artes plásticas, sobretudo a pintura, dão-me um prazer que não substitui o vinho, nem por ele é substituível. A elas posso juntar a música, a heráldica cívica ou vida de dois países que inventei quando era criança e que mantenho porque o devo.
.
Um só copo pode ser exagero e duas garrafas um défice. Como os beijos e as zangas. Tanto já se disse escreveu acerca dos momentos e emoções e seus acompanhamentos báquicos. A eles junto a estética visual.
.
O vinho é várias coisas e uma delas pode ser manifestação artística. Ao mesmo tempo, o seu embrulho pode dar-lhe valor, diferenciação ou coisa nenhuma. Infelizmente, a sensibilidade artística é escassa, falta «mundo» a muitos produtores. Há vinhos que se bocejam, tal como rótulos.
.
Nem todas as casas podem aspirar a serem – em euros disponíveis para a arte – o Château Mouton Rothschild. As garrafas desta vinícola do Médoc conheceram obras exclusivas de Picasso, Henry Moore, Kandinsky… é assim desde 1924. Por cá temos o Esporão, que aposta nos artistas portugueses.
.
Volta e meia deparo-me com preciosidades. Sim, os olhos comem e já comprei vinhos por causa dos rótulos. Por que não?! Uns valiam a pena e outros não. O mesmo se passou com o título da obra.
.
Os vinhos Ninfa, do meu homónimo, são a mais recente descoberta artística, com os seus sólidos impossíveis. Aliás, penúltima, porque chegou-me uma garrafa de Pala da Lebre. A 29 de Junho de 2014 publiquei uma nota acerca da nova imagem deste produtor duriense. Desde esse dia que está prometido um texto acerca do vinho enviado para prova.
.
É chegado o tempo. Agora, porque sim. Agora, por que não?! Coisas da vida, nas suas larguras, alturas, comprimentos e espessuras, que me abstenho de esmiuçar. É agora!
.
Já se percebeu que me maravilhei com o rótulo deste branco. Basta olhar para o blogue encarnado para se perceber que não gosto de lá ter ilustrações. Não bem não gostar, é não reconhecer interesse estético no que mostram.
.
O trabalho foi concebido pela Essência do Vinho, mas os créditos devem ser atribuídos a Maria Adão. O Pala da Lebre é infantil, é a capa dum livro de estórias que uma avó lê ao neto. Mais do que belo, é terno; e a ternura é confortável. Não sugiro que se esteja a incentivar o consumo de álcool por parte das crianças. Realço o calor que me transmite.
.
Embora seja difícil acontecer, uma vinha pode ser tão entediante quanto uma máquina de engarrafamento. Quando não o é? Quando quem olha aprecia a natureza, das ervinhas à bicheza.
.
O rótulo do Pala da Lebre tem as árvores, os montes e as vinhas; animais que se recolhem à capoeira e outros que são vadios. Fechado numa cidade aberta, vi-me em descanso campestre, enquanto o bebia e acompanhava com… não me lembro.
.
O afecto e o prazer contaminam, mas tentarei ser justo, ainda que assuma toda a subjectividade a que tenho direito neste bloco público. À nota atribuída, 0,5 ponto é prazer visual.
.
O Douro encanta-me e o seu vinho dá-lhe mais luzires. Daí obtenho os tintos mais prazenteiros – generalizando – e brancos diferenciados. O Pala da Lebre Branco 2013 responde ao que gosto de encontrar.
.
A região tem as alegrias da personalidade e da família. O Douro sabe a Douro. Este branco tem aquele leve adocicado – que não é – petulante, que se conjuga com a terra e as ervas bravias em secagem.
.
Rui Walter da Cunha é o responsável pela enologia. As castas são as gouveio, rabigato e malvasia fina. O Douro sabe a Douro. Não é um vinho poderoso, mas tem volume e elegância – esta última nem sempre se consegue por lá. Na garrafa cabem maçãs granny smith sem euforia, a lembrança de rebuçado e restolho. Na boca mostrou-se equilibrado e fresco. Faltam-lhe 100 metros, podia o final ser mais longo.
.
.
.
Origem: Douro
Produtor: Patamar Ancestral
Nota: 7,5/10
.
.
.
Nota: Este vinho foi enviado para prova pelo produtor.

domingo, dezembro 21, 2014

Domini Tinto 2012, Domini Plus Tinto 2011, Hexagon Branco 2013, FSF 2011 e Lancers Espumante Bruto

O tempo passa… vi num documentário que há um mecanismo no nosso cérebro, deve ser algo como a espiral da corda dos relógios mecânicos, que faz com que a percepção do tempo varie com a idade.
.
Será por causa desse mecanismo que o período de aulas é demorado para as crianças e vertiginoso para os adultos. Quando conheci o anãozinho cá de casa tinha ele quase quatro anos e era um bocadinho trapalhão a andar… andava esquisito. Hoje… corre como um Fórmula 1.
.
Assim está a acontecer com este blogue. Os vinhos vão sendo provados – bebidos, porque aqui há pouca ciência e mais prazer – e levam meses até se plasmarem em letras. Está bem que a minha vida não é esta… sou jornalista freelancer, não me posso dar ao luxo de faltar ou de meter baixa ou ter férias. Cada trabalho é benvido (recuso-me a escrever bem-vindo), há a família, outros óbis, dormir…
.
Portanto, só posso pedir desculpa pelos atrasos a quem me enviou vinho para prova, pois partiu do pressuposto que seriam publicados os textos a eles relativos em tempo de novidade e procura direccionada.
.
Uma das minhas vítimas preferidas é a firma José Maria da Fonseca. Aqui vão as linhas da minha avaliação dos vinhos enviados. Começo com os mais prováveis de chegar às mesas no Natal.
.
Desta vez, ao contrário do que é hábito, coloco as pontuações junto ao texto relativo a cada vinho.
.
.
Domini Tinto 2012
.
Bendita (estão a perceber por que é que deve ser benvindo e não bem-vindo?) touriga francesa, nome da tradição e que o enólogo-mor desta casa lhe voltou a chamar. Não é envergonhada, mas não é protagonista. Porém, sem ela o Douro não pode ser Douro – ainda me vou tramar com esta afirmação.
.
No lote deste vinho constam a touriga nacional (48%), a tinta roriz (30%) e a touriga francesa (22%). Um coro bem afinado, onde a touriga nacional é a maestrina, a tinta roriz os instrumentos de sopro e a touriga francesa o conjunto de vozes.
.
Cá vou aos malditos descritos, pois hoje apetece-me. Lá está o doce de cereja – nada de compotas ou outro conduto de pão e bolachas – uma pitadinha de violetas. Ao fundo o terroso da touriga francesa e umas agradáveis notas de madeira. Na boca mostra-se elegante, de fino trato, com boa acidez e bom final.
.
Origem: Douro
Nota: 6,5/10
.
.
Domini Plus Tinto 2011
.
Acho estranho não ter escrito antes acerca deste vinho. Consta dos meus cadernos de anotações, que inclui o telemóvel, cuja diversidade de recurso não me permite estabelecer uma linha temporal de prova. Devia escrever a data, mas sempre fui mau com números.
.
Este está acima do seu sucessor. A razão, que aqui é assumidamente subjectiva, é a quantidade de sumo de touriga francesa: 68%. A tinta roriz (22%) e a touriga nacional (10%) são as parceiras. Obviamente que o trabalho enológico se repercute.
.
As diferentes percentagens das composições dos dois vinhos espelharão as virtudes de cada casta em cada um dos anos. Ainda assim, acredito que a pontaria primeira à touriga nacional, no 2011, possa estar relacionada com o apetite do consumidor.
.
Este é muito mais Douro. Tem os aromas bravios da região e as casas solarengas das quintas. Uma mão cheia de socalcos – não sei se a propriedade os tem, é mero recurso. Na avaliação olfactiva estão o xisto e sua terra, as estevas, aquela nota de madeira, talvez de azinho, que lhe oferece a touriga francesa. Domingos Soares Franco, enólogo-mor, refere frutos pretos… sim, não divirjo muito; às amoras, mirtilos e ameixas junto figo seco. Quanto a violetas, ná! Continuo na minha, no Douro não topo muito esta flor, parece-me sempre mais o doce, geleia e compotas de cereja e/ou outros frutos vermelhos. Na boca é equilibrado, com boa acidez e um final longo.
.
Origem: Douro
Nota: 8/10
.
.
Hexagon Branco 2013
.
A marca Hexagon nasceu para os tintos e o seis a que alude referem-se ao número de castas. Neste branco há apenas quatro: viosinho (34%), verdelho (30,5%), antão vaz (20%) e alvarinho (15,5%).
.
Por partes: acho gira a combinação de castas tão diferentes e de regiões diversas. Não penso que seja arriscado, é um vinho para amantes assumidos, que premeiam a diferenciação, e para os apreciadores do estilo desta firma de Azeitão.
.
Como enófilo premeio as diferenças, ainda que, por vezes, não me sacie completamente o prazer. Reafirmo, este não é um blogue de crítica «séria» (é sério porque respeita o meu gosto), as provas não são cegas, o ambiente não é de sala de provas, mas de amizade e convívio e reflecte o meu gosto. Ainda assim, quando me surge um vinho que não me cai no goto, mas que tem manifesta qualidade, não o posso penalizar completamente.
.
Acresce que não sou enólogo nem vitivinicultor, não tenho bases académicas para argumentar enologia nem dar conselhos comerciais e empresariais. Quem me lê sabe o quanto aprecio o trabalho de Domingos Soares Franco e sua equipa (e família).
.
Já se percebeu que não gostei deste vinho. O não gostar é relativo! A escala decimal é aberta como a de Richter, sendo que o 3 é positivo, pois não vejo interesse em classificar o evitável (2) nem o imbebível (1).
.
Ora, este vinho – atenção refiro-me a gosto – tem vários «defeitos»: antão vaz e alvarinho. O viosinho lembra-me o Douro dos meus amores, onde leio uma alma grande. O verdelho diz-me o nome do enólogo, que tão bom partido sabe tirar desta casta. A alvarinho é casta que raramente aprecio fora dos frios de Monção e Melgaço. No Sul, enjoa-me um bocadinho. Depois vem a casta Yeti – a abominável cultivar do Alentejo.
.
Na «prova», os comensais gostaram muito. Eu não! Tenho reparado que a antão vaz só é bebível quando se lhe junta o arinto – excepção feita ao primeiro Solista, da Adega Mayor, com direcção de Paulo Laureano, que jurou que me porá a cantar laudes a esta «coisa».
.
Tentando ser justo quanto a qualidade e gosto pessoal… 6! Os restantes 7.000.000.000 de terráqueos provavelmente deliciar-se-ão. Tem tudo para agradar.
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Nota: 6/10
.
.
FSF Tinto 2011
.
Adoptei não pontuar vinho de homenagem, a menos que surjam anualmente ou com grande regularidade. É o caso: Fernando Soares Franco, figura enorme dos vinhos portugueses.
.
É um vinhaço! Em grande! Fez-se de syrah (79%), trincadeira (17,3%) e tannat (3,7%). Caiu-me muito bem. Mostra-se variado quanto a olfacto, desde a mineralidade quente das areias, ao figo seco, à menta e chocolate preto. Enche a boca, com calor e acidez que a equilibra, um final muito longo!
.
Origem: Regional Península de Setúbal
Nota: 8,5/10
.
.
Lancers Espumante Bruto, branco e sem indicação de ano, produzido é método contínuo.  É um vinho que calha muito bem no Verão e que na passagem de ano contrabalança os enfartamentos e os doces típicos da época.
.
Tem uma acidez notória, bolhas brincalhonas a fazerem cócegas, aromas de frutas de Verão, não tropicais. É prá festa!
.
Lancers Espumante Bruto
Origem: Portugal
Nota: 5/10
.
.
.
Nota: Estes vinhos foram enviados para prova pelo produtor.

terça-feira, novembro 25, 2014

Os olhos comem e os meus também bebem

.
Revelado ou escondido, um Sandeman será sempre noite. O Don tem mistério suficiente. Podia ser um dos fantasmas de minha casa. Dá o abraço das coisas antigas, como uma avó, se avó fosse coisa. Andou com os meus olhos ao colo. Os olhos comem e os meus também bebem. O conforto do belo.
.
.
.
Nota: Pintura de Loxton Knight.

sexta-feira, setembro 19, 2014

Casa das Gaeiras Reserva Branco 2013 + Casa das Gaeiras Reserva Tinto 2012

.
Há vinhos com história ou que puxam as palavras para a conversa. São os que prefiro, seja a parlação só centrada no elixir ou vá solta por onde se deixar. Os dois que agora comento puseram-me a falar com as palavras.
.
Quem só quiser ler sobre o vinho... faça o favor de saltar até onde o parágrafo começa com outra cor.
.
Contaram-me que até à década de 70 do século XX o branco das Gaeiras (Quintas das Gaeiras) era especial, um sucesso de contentamento. Lamento, mas como nasci em 1970... lá em casa não havia sopas-de-cavalo-cansado.
.
Ainda assim conhecia-o de nome. Mais na memória tenho o tinto. Não por que o tivesse bebido, mas porque consta dos versos do Fado das Caldas. Não sei se se refere ao vinho daquela freguesia de Óbidos ou se é relativo ao da Quinta das Gaeiras.
.
video
.
Aqui confesso – possivelmente pela enésima vez – que sei que estou contentinho quando ao vinho me apetece juntar o fado e montar um cavalo... marialvismos... Ora, o Fado das Caldas tem aquele picadinho que pede mesmo... portanto, com a garganta molhada, vêm-me à alma as palavras e as notas.
.
Uma coisa gira é que há um fado gastronómico que se diferencia desse apenas pelo poema, é o Fado das Iscas. Coincidentemente, quer um quer outro são interpretados por dois dos meus fadistas preferidos: Hermínia Silva e Dom Vicente da Câmara – ela tempera as iscas e ele conduz até às Caldas.
.
video
.
Quem acredita no destino tem aqui uma estória que o comprova – salvo seja, que nada houve entre quem cito. O fidalgo fadista e a mulher do povo de sangue e alma na voz. Afirmo: Hermínia Silva é a maior fadista portuguesa desde a Severa – mulher da vida, de que não há registo sonoro, e que na História de juntou ao marquês de Valença.
.
Baseado no romance «A Severa», de Júlio Dantas, o primeiro filme sonoro português, de 1930, centra-se nesse amor impossível do fidalgo e da rameira. No filme «A Severa, de José Leitão de Barros, as personagens são inspiradas nesse casal de circunstância. Há uma razão lógica, do ponto de vista do argumento, em fazer coincidir o título do fidalgo ao adjectivo de nobre boémio.
.
No filme, a actriz Dina Teresa representa uma prostituta cigana, que se envolve amorosamente com o conde de Marialva, representado António Luís Lopes. O realizador contornou os factos, de modo a não juntar os seus contemporâneos marquês de Marialva e conde de Vimioso. No entanto, o título de Marialva foi inicialmente constituído como condado, em 1440, por Dom Afonso V, para agraciar Vasco Fernandes Coutinho. O título foi extinto, em 1534, após a morte de Guiomar Coutinho, quinta condessa de Marialva, que não deixou descendência.
.
video
.
Hoje, estes cuidados parecem tolos, mas há que contextualizar. A sociedade portuguesa do início do século XX era muito conservadora e fechada, existindo um largo e fundo fosso entre o povo e as elites. Note-se que «A Severa» foi rodado apenas 20 anos após a implantação da República – que não extinguiu os títulos nobiliárquicos, considerando-os como património da nação.
.
O primeiro marquês de Marialva foi Dom António Luís de Meneses, que era já o terceiro conde de Cantanhede. A honraria foi-lhe conferida, em 1661, pelo mérito militar na Guerra da Restauração (1640 a 1668), pelo Rei Dom Afonso VI.
.
Há homens que marcam uma vida-tempo de tal modo que todos os outros que lhe sucedem ou antecederam deixam de existir; ninguém acredita que houve mais do que o primeiro marquês de Pombal ou que marquês de Marialva foi só o que deu nome ao conceito de homem dos prazeres mundanos, das mulheres, cavalos, toiros e dado ao vinho.
.
Ao que parece, o responsável terá sido Dom Pedro José de Alcântara de Menezes Noronha Coutinho, quarto marquês de Marialva, sexto conde de Cantanhede e estribeiro-mor do Rei Dom José, considerado como o melhor cavaleiro e mestre de equitação da sua época.
.

.
Já a Severa – Maria Severa Onofriana – não era de etnia cigana, embora o seu pai o fosse. Chamava-se, pelo primeiro nome, Severo e assim o passou por alcunha à mulher, Ana Gertrudes, e à filha. A mãe da figura histórica era natural de Ovar, talvez tivesse vindo para Lisboa para vender peixe, pois as peixeiras de rua, de canastra à cabeça, eram originárias dessa terra da Beira Litoral – o falar do povo mudou ovarinas para varinas.
.
A Severa passou a vida (1820 a 1846) por quase toda a Lisboa popular, da Madragoa onde nasceu até à Mouraria, onde morreu. A mãe era taberneira e prostituta e seguiu-a na vida de cama – morreu jovem, vítima de tuberculose, no bordel que a acolhia.
.
Vivia no meio da pobreza, miséria, falta de higiene, doenças, sujidade, certamente violência física, psicológica e verbal, alcoolismo, boçalidade, entre tantas desgraçadas e homens de faca, estivadores, contrabandistas, embarcadiços e gatunos... e ratazanas, percevejos, piolhos e chatos.
.
Os testemunhos dão conta que teria uma beleza invulgar e exótica e grandes dotes como cantadeira... além de ter pêlos na cara em quantidade suficiente para ganhar a alcunha de «a Barbuda». Argumentos que terão enfeitiçado Dom Francisco de Paula de Portugal e Castro, segundo marquês de Valença e décimo conde de Vimioso.
.
É fado!
.
.
Isto tudo por causa do verso do tinto das Gaeiras... Já agora, o que são gaeiras? Não fazia a mínima ideia. Podia ficar sete anos a mandar bitaites que nunca chegaria lá. De acordo com o «Dicionário Onomástico Etimológico» de José Pedro Machado, é um local onde há muitos gaios.
.
Giro!... gaio é um pássaro, não é?! Perguntei-me a medo – é que sou homem do campo... mas do Campo Grande, em Lisboa. Nasci ali, mas não sou dali nem do Sporting Clube de Portugal; sou de Belém, por causa do Clube de Futebol «Os Belenenses», e da Graça ou São Vicente ou Santa Engrácia ou São João ou Penha de França por vivência, e por isso simpatizante do popular Clube Oriental de Lisboa.
.
Sim, tinha na ideia, pelas minhas idas ao campo, ao rural, que gaio é ave. Mas também – segundo a Infopédia – «cabo que se fixa na cabeça dos paus de carga dos navios»; gaivota juvenil; alegre; jovial – «Do latim gaudiu – alegre». Já o Priberam informa que é sinónimo de jovial e alegre; «varinha de pau flexível, terminada por laçadas feitas da própria vara»; «nome da gaivota que não tem mais de um ano»; cavalo; e «braço de uma espécie de antena que serve para amarrar à embarcação».
.
De tudo isto retiro duas palavras: alegre e jovial.
.
video
.
Pois que estamos diante dum local rico em gaios, ave de penas azuis e que não gosta de campo aberto. Prefere as florestas e os bosques, é uma espécie residente e vive em todo o país. Mede entre 33 centímetros e 36 centímetros, não pesa mais de 190 gramas e pode viver até aos 18 anos. Pertence à família dos corvídeos e do assentamento de baptismo consta o nome Garrulus glandarius. Se fosse gente seria artista de variedades, pois é um grande imitador de sons.
.
A Quinta das Gaeiras tem uns belos jardins e floresta à volta. Fui lá conhecer os novos vinhos – produzidos em parceria com o Grupo Parras, que detém, entre outras marcas, a Quinta do Gradil – e vim maravilhado.
.
Foi dito à mesa que o branco agora apresentado tem a alma desses antigos que tiveram fama. Acredito no elogio que um conviva teceu ao enólogo (António Ventura) e equipa, pois é pessoa de saber e respeito.
.
Os antigos Gaeiras brancos eram monovarietais de vital. Queixou-se a equipa técnica do temperamento da casta, que cria dificuldades na vinha e chatices na adega. Muita parra, muito cacho, muita uva, muita sensibilidade ao calor, muita sensibilidade à chuva, excessivamente produtiva – basicamente uma casta com um estado de humor dum agiota com um ataque de gota (esta pertence ao jornalista João Gonçalo Pereira). Porém, capaz de dar do melhor. Ora: bom somado com muito resulta em casta predilecta na sub-região de Óbidos.
.
Os agrónomos intervieram podando folhas para criar clareiras que permitissem uma maior insolação dos cachos e assassinando novelos de uvas, para que não fosse tão generosa, a videira. Tudo correu bem com o vinho de 2013 e com o anterior, que não chegou ao mercado.
.
É um grande vinho! Naturalmente fresco – prometi nunca falar de pH – pelo grau e pelo temperamento, que ilude para mais frescura. Com uma doçura natural nada óbvia nem enjoativa, que não cansa a boca. Untuoso, envolvente, sedutor e elegante. Cresce no copo com os minutos. Consegue ter feminilidade, pela complexidade de aromas entrelaçados sem domínios, indicando delicadeza. Mas também masculinidade, pelo modo de se comportar na boca.
.
Bebi-o alegremente a solo, mas ganha muitíssimo mais se lhe derem comida. É muito perigoso, tem 13 graus de álcool que voam como faixa de seda sobre mármore.
.
O tinto é divertidíssimo. É porque com ele se pode conversar e conviver e também acompanhar com comida. Inicialmente austero de aromas, revela-se com arejamento. Se me pedissem para dizer as castas do seu lote, não acertava uma. Nem uma! Todavia, diante dos «olhos».
.
Tudo o que se pode esperar da syrah (50%), da touriga nacional (30%) e da touriga franca (20%) está à vista. A soma das três não dá três. As características olfactivas esperadas estão lá, mas o todo pareceu-me outra coisa. Ondulam, escondem-se e revelam-se, evoluem, regressam.
.
Mostra-se firme na boca, mas sem brutalidade. Envolve, sacia e pede que o reponham. Fundo ao ir-se, longo no ficar. Na prova oral tem também as características de não revelar o mesmo em todas as vezes que se bebe.
.
O tinto é um truque de ilusionismo. Contentíssimo.
.
Além da inegável qualidade, são vinhos muito interessantes e didácticos. Cansam-me os vinhos perfeitinhos, com tudo no sítio – como a Barbie e o Ken. Estes são perfeitos (a perfeição só Deus sabe e conhece), mas mais do que filhos da técnica.
.
O maestro é António Ventura. Aplaudo de pé!
.
.
.
Casa das Gaeiras Reserva Tinto 2012
.
Origem: Óbidos
Produtor: Grupo Parras
Nota: 7/10
.
.
Casa das Gaeiras Reserva Branco 2013
.
Origem: Óbidos
Produtor: Grupo Parras
Nota: 8/10
.
.
.
Nota1: Gaio, pelo pintor Nigel John Shaw.
.
Nota 2: Vídeo do Fado das Caldas  versos de Arnaldo Forte e música de Raúl Ferrão. Interprete: Dom Vicente da Câmara. Os dados relativos à autoria são nebulosos, havendo referências como sendo de outros criadores. Esta informação foi retirada duma partitura que consta do acervo do Museu do Fado. Porém, a mesma instituição possui partituras em que surgem outros nomes. Contactei um etnomusicólogo, que esteve envolvido no trabalho de candidatura do fado a Património Cultural Imaterial da Humanidade, que me referiu que é comum, no início do século XX, haver discrepâncias quanto aos autores.
.
Nota 3: Diaporama do Fado das Iscas  versos de José Cosme e música de Raúl Ferrão. Interprete: Hermínia Silva. A situação face à autoria mantém-se.
.
Nota 4: Exerto do filme «A Severa», de Leitão de Barros, com Dina Teresa (Severa) e António Luís Lopes (conde de Marialva).
.
Nota 5: Estátua do quarto marquês de Marialva, do escultor Celestino Alves André.
.
Nota 6: Quadro «O Fado», pintado por José Malhoa.
.
Nota 7: Diaporama sobre o gaio, realizado Dom Sobreiro e acessível em www.youtube.com, onde consta o contacto do autor.

.