quarta-feira, outubro 14, 2015

Chefe Silva – senhor António da Silva: 1934 – 2015

video
.
As homenagens devem ser feitas em vida – infelizmente tantas vezes não acontece. A razão por que o digo não é para saudar os que partem, mas para os expressar aos que ficam. Quem vai, por algum tempo, permanece connosco, com os entes queridos e pessoas que lhe são agradáveis
.
Já quem fica é levado, bastas vezes, talvez na maioria dos casos, a supor que morremos definitivamente quando o caixão desce à terra, é guardado num jazigo ou entra na fornalha, ou por algum motivo se perde. Digo, por convicção, que não nascemos no berço e não nos finamos no túmulo.
.
As homenagens são para os vivos, para os que estão na carne. Certamente lembram-se – lembramo-nos, episodicamente, e a vida continua, no dia-a-dia desta pesagem pela matéria, esquecendo, ainda que inadvertidamente, das bênçãos que nos chegam de formas tão diversas.
.
Elogiar os mortos é fácil! Não irão telefonar emocionados, mas podem-no ficar, nem amuar porque se foi poupado nas laudas, que acontece, ou passar recados, porque algo não foi bem assim, mas é verdade. Assim creio.
.
Perdoem-me os leitores que diferente de mim pensem: A morte não redime. O dom da Graça é um conforto confortável – expressão propositadamente pleonástica. Vamos e vimos as vezes necessárias até que um dia um chamamento nos promova, quando for merecido e houver a necessárias modéstia e vontade de missão.
.
Isto se aplica a todos. Podia citar o caso recente do meu pai, mas não – 20 de Fevereiro foi ontem e será sempre ontem, mas abraça-me quando preciso e critica-me se o acha necessário; talvez nem o saiba, ele e eu.
.
Dirijo as palavras a alguém que, não tendo conhecido pessoalmente nesta vida, entrou em minha casa e auxiliou o Manuel Jorge, sempre empenhado na cozinha. Era miúdo quando o chefe Silva ensinava na televisão ou já adolescente e desinteressado.
.
Não era sorridente, mas não carrancudo – contudo sorria. Falava devagar e explicava. Quando me iniciei aplicadamente no mundo do vinho e da comida sólida, ouvi sempre palavras de respeito e consideração – sem excepção.
.
É um feito! Não sei como seria no seu círculo íntimo, mas teria força e fraqueza, erros e benefícios – como todos. Sei do homem que entrou em minha casa tela RTP, do «outro», do senhor António da Silva, não sei – certo estou que o amaram e amou.
.
Disseram-me bem como homem e como profissional, honesto e conhecedor, influente na vida de jovens que viriam a ser colegas e nas tarefas da casa, para que o arroz ficasse no ponto e a carne suculenta. Era miúdo, e o que me contam é que respeitava a comida e o público. Sem «plástico» e fiel à gastronomia portuguesa.
.
É esse respeito que sempre ouvi e por que lhe dedico estas linhas de homenagem. Escrevo tarde (12 de Novembro de 2015), se pensarmos no dia do passamento . Escrevo a tempo, pois sei que vive além, fazendo as tarefas que a Espiritualidade Superior lhe designou.
.
As homenagens em vida, podem lacrimejar os olhos da família e da figura, mas são para quem está encarnado. Escrevo tarde, mas simbolicamente coloco este texto no dia em que o chefe Silva foi a um outro lugar.
.
.
.
Nota: Pensei em contactar a família para lhe dar conta desta sincera homenagem. Decidi não o fazer, pois conhecia o chefe Silva e não o senhora António da Silva. Não tive sequer a oportunidade de lhe apertar a mão. O que tem de ser será, se alguma dia um familiar, ou amigo do senhor António da Silva, encontrar esta minha prosa, espero que a (me) compreenda e, por isso, a aprecie.

Sem comentários: