domingo, março 25, 2007

Colares Chitas 1992

Apesar da crise da região, Colares ainda vai dando ao mundo e às bocas belas coisinhas. Têm-me chegado aos ouvidos notícias de que os Colares Chitas não andam grande coisa. Pois talvez não estejam ao nível do que já foram e eu não tenho idade para ter memória, porém este de 1992 achei-o muito bem. Bebi-o relativamente jovem e estava, é claro, capaz de aguentar muitos anos, na boa tradição dos Colares. Bateu-se bem com pratos companeiros tradicionais: bacalhau (pataniscas e pastéis).

Região: Colares
Produtor: António Bernardino Paulo da Silva
Teor alcoólico: 11%
Nota: 7/10

Poeira 2001

A perfeição ou a quase perfeição rouba palavras. Há muito mais a dizer quando se tem alguma coisa a criticar. Deste vinho não há muito a dizer: É fabulástico. Não me apetece dizer mais nada. Seria poluí-lo.

Região: Douro
Produtor: Jorge Nobre Moreira
Teor alcoólico: 13%
Nota: 9/10

sexta-feira, março 23, 2007

Morgado da Canita 2004

Este não é, claramente um grande tinto nem um tinto de excelência. É um tinto que não envergonha, que vai para o mercado a preço cordato. É um dos chamados vinhos de combate, daqueles que vencem pela relação entre a qualidade e o preço, que têm de se apresentar em meias garrafas. Devo dizer que no padrão da gama é dos melhores que tenho tragado. É honesto.

Região: Regional Alentejano
Produtor: Casa Agrícola Santos Jorge
Teor alcoólico: 13,5%
Nota: 4/10

domingo, março 18, 2007

Paço dos Cunhas de Santar Vinha do Contador 2004

Este é um branco que vai bem com peixes pesados e gordos e com carnes menos robustas. Tem um nariz com fruta madura e é bem gordo e macio. Tem classe.

Região: Dão
Produtor: Paço de Santar
Teor alcoólico: 12,5%
Nota: 7/10

La Chablisienne 2005

Não sendo o melhor Chablis até agora tragado, o La Chablisienne mostrou-se todo ele digno da denominação e bem dotado de encanto. Fino, elegante, com os poderes mágicos que se exigem a estes borgonheses.

Região: Chablis
Produtor: SCA La Chablisienne
Teor alcoólico: 12,5%
Nota: 6/10

Terra de Lobos - Castelão Cabernet Sauvignon 2003

É um vinho onde parece que as coisas não batem certo. Será que são as castas que andam à luta? pareceu-me rústico... Ao mesmo tempo entediante e aborrecido. No entanto, há que elogiar a ausência do aroma a pimentão e do sabor impositivo da casta cabernet... porém, a coisa não me pareceu resultar.

Região: Regional Ribatejano
Produtor: Casal Branco
Teor alcoólico: 13,5%
Nota: 3,5/10

Riscal Tempranillo 2004

Casa dos Herderos de Marqués de Riscal é mais conhecida pelos seus vinhos de Rioja e seguidamente de Rueda, mas a empresa estende a sua actividade também a Castela-Leão, donde provém este tinto. Sabe-se que em Espanha várias regiões e muitas adegas se têm voltado para o mercado, mostrando-se atentas às novas tendências, ao perfil dos novos consumidores e às setas indicativas do novo mundo. A Marquès de Riscal tem neste vinho um produto popular e jovem, o que não quer dizer que seja bom ou interessante, mas também não implica que seja mau ou desinteressante. Quanto a mim, acho apenas que não atrasa nem adianta. De facto não é mau, mas também não é interessante.

Região: Castilla y Léon
Produtor: Herderos de Marqués de Riscal
Teor alcoólico: 14%
Nota: 4/10

Campolargo Arinto 2005

É um vinho bem vivo, vegetal e frutado, com apenas a lamentar um certo prolongamento açucarado que deixa na boca. É elegante e merece aplauso.

Região: Bairrada
Produtor: Manuel dos Santos Campolargo
Teor alcoólico: 13,5%
Nota: 7,5/10

Campolargo Bical 2005

Este é um vinho fermentado em madeira e que resulta muito fino e elegante, com uma bela fruta e aroma muito agradável. Não tenho muitas palavras para o definir, sendo que é um dos meus brancos favoritos.

Região: Bairrada
Produtor: Manuel dos Santos Campolargo
Nota: 8,5/10

Frei João Reserva 1991

É uma pena os vinhos da Bairrada andarem tão fora de moda. Na verdade não merecem. A casta baga bem dominada e o estágio em garrafa fazem vinhos únicos. Que belo prazer me deu e que saudades me matou. Estava elegante, em grande forma, mostrando que poderia aguentar-se por mais uns anos.

Região: Bairrada
Produtor: Caves São João
Nota: 6/10

Herdade dos Lagos Syrah Reserva 2004

Serviram-me este vinho, porque (parece) que ando com fama de querer experimentar sempre vinhos diferentes, e este foi-me apresentado como raridade em Lisboa e, mesmo, Portugal, pois ao que parece tem os mercados internacionais como quase único destino. Este faz-se em Mértola e conta com uns potentes 15 graus de álcool. Contudo não se dá por eles, pois servido à temperatura regulamentar nada de embate alcoólico foi notado. No nariz notou-se fruta sem exuberância e toque abaunilhado, na boca é macio e elegante. Para quem o bebe tem lá o sabor dos tintos alentejanos e um forte perfil internacional. Aliás, estas duas características são, para mim, os seus defeitos: não tem nada de novo, é uma citação de sabor e temperamento.

Região: Regional Alentejano
Produtor: Herdade dos Lagos
Teor alcoólico: 15%
Nota: 6/10

Grilos 2005

Por vezes não há nada como o sucesso para estragar um vinho ou uma marca. No Dão existia uma marca que punha no mercado um vinho popular, a preços simpáticos e com uma belíssima qualidade. Tornei-me a adepto e recomendei-o fartamente, comprando-o igualmente. Eu, que me assumo como negligente da relação qualidade e o preço, referi bastamente, a existência dessa relação nesse dito vinho: o Quinta dos Grilos, que, ano após anos, foi habituando os consumidores a uma boa qualidade.
O sucesso da marca ditou que a produção da Quinta dos Grilos fosse insuficiente para abastecer as necessidades. O mercado gostou dos Grilos e as vides da quinta tornaram-se insuficientes para abastecer a procura. Daí que os seus responsáveis tivessem de procurar fora de portas uvas para satisfazer a procura, o que não tem mal algum.
A primeira consequência é que como deixou de ser um vinho de quinta, a marca perdeu o direito a ostentar o vocábulo. Paciência, não é problema. Não tem mal, desde que a qualidade esteja à altura. O problema é que não está. Nâo sequer duvido do rigor do trabalho nem do esforço, mas é óbvia a diferença qualitativa dos Grilos de 2005 para os Quinta dos Grilos de anos anteriores.
Pode argumentar-se que em vinhos populares não é suposto ter-se um padrão de qualidade tão alto ou que a qualidade deste Grilos está ao nível dos seus concorrentes ou até acima. Pode ser, mas o facto é que nos anos anteriores era bem melhor. Está bebível, mas muito abaixo face ao que era. É pena!

Região: Dão
Produtor: Sociedade Agrícola de Casal da Tonda
Teor alcoólico: 13%
Nota: 3/10

Quinta do Monte d'Oiro - Aurius 2002

Muito elegante e um pouco floral. Eu que gosto de vinho bem elegantes, este não me seduziu por aí além. Confesso que não me encaixo bem na boca, certamente pelo excessivo maneirismo e perfil internacional. Não será defeito, mas feitio. Contudo, é um belo vinho!

Região: Regional Estremadura
Produtor: José Bento dos Santos - Quinta do Monte d'Oiro
Teor alcoólico: 14%
Nota: 6/10

Adega Cooperativa de Borba Syrah 2004

Este tinto mostrou-se bem mais agradável enquanto se debateu com comida do que acompanhou o convívio e a conversa. Mal se levantaram os pratos tornou-se fatigado, aborrecido e chato. Tem algumas notas de fruta e de compota sem exuberância. Na boca falta-lhe elegância.

Região: Regional Alentejano
Produtor: Adega Cooperativa de Borba
Teor alcoólico: 14%
Nota: 3,5/10

quinta-feira, março 15, 2007

Importam-se de repetir?

A ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) efectuou hoje a sua maior operação de fiscalização de sempre, designada «Consumidor Protegido». A acção desenvolveu-se de madrugada e decorreu por várias horas. No centro da atenção estiveram panificadoras, lotas e a carne, além de serviços de outra ordem.
Na operação foram inspeccionadas 101 padarias (15 encerradas), 565 viaturas e 585 serviços. No total houve um processo crime, 240 contra-ordenações e duas detenções, sendo a taxa de incumprimento de 18,3%. As apreensões somaram 10.448 quilogramas, no valor de 146.173 euros.
O que não consigo é perceber é por que raio alguns dos bens alimentares foram retirados por serem impróprios de irem para o mercado e foram, posteriormente, entregues à instituição de solidariedade Banco Alimentar Contra a Fome. Ora, se a comida não serve para ser transaccionada também não serve para ser oferecida a gente carenciada. Parece lógico...

A grande lata

Há gente com uma grande cara de pau ou com uma grande lata. A ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) realizou hoje uma mega operação de fiscalização em que surpreendeu diversos operadores económicos da área alimentar, nomeadamente do sector do pescado e da panificação. Numa reportagem televisiva, uma comerciante numa lota bradava a sua indignação após ter sido fiscalizada pelas autoridades:
- Então a gente anda a trabalhar pra quê?!
Claro! Vale tudo! Roubar, enganar, vigarizar, defraudar. Onde é que já se viu um organismo público fazer o seu serviço? Então não querem lá ver, está uma pessoa a fazer o seu ilicitozinho e já não o deixam? Como se vai ganhar a vida?
Ora, de pessoas como esta está o sector alimentar português (e não só) cheio. A essas pessoas faço um manguito e mando-as pra p*** qua as pariu!

domingo, março 11, 2007

Calda Bordaleza 2004

Este é um tinto que pouco tem que ver com os velhos bairradas da casta baga. Este faz-se maioritariamente de cabernet sauvignon, depois tem uma boa dose de merlot e petit verdot compõe o ramalhete. É um vinho que, como o nome indica, é feito à moda de Bordéus.
O facto de não ser um tradicionalista e evocar outras paragens não é, à partida, uma virtude, mas também não é uma desvantagem. É o que é. Por mim vale a pena bebê-lo, é bem prazenteiro. O único senão deste vinho é o embate no nariz, que não é simpático. Tudo o mais é elegância.

Região: Bairrada
Produtor: Manuel dos Santos Campolargo
Nota: 7/10

sexta-feira, março 02, 2007

Altano Reserva 2003

Quem me conhece sabe que estou marimbando-me para a relação entre a qualidade e o preço. Pura e simplesmento não quero saber. Das duas uma: ou tenho dinheiro para a coisa que quero e compro-a ou não tenho e esqueço-a. Se a tenho, aprecio-a, desfruto-a e, eventualmente, lamento depois de provada. Se não a tenho, nem quero saber.
Vem toda esta introdução, porque recomendei e recomendarei muitas vezes o Altano a quem aprecia as boas relações entre a qualidade e o preço e também não gosta de gastar muito dinheiro com um vinho. Vem esta introdução a propósito de, por ter gostado do modesto Altano, ter oferecido o Altano Reserva, mesmo arriscando sem provar. Vem toda esta introdução a propósito de tanto assim ser que o meu amigo Paulo Rosendo (parceiro no blogue A Adega - ele vai perdoar-me... não sei se os amigos me perdoarão) me ter oferecido o Altano Reserva.
Ora que tal é este Altano Reserva 2003? No nariz é vegetal com uma leve nota frutada... num primeiro embate é tascoso, até vem um certo golpe alcoólico, que é desnecessário. Na boca é uma desilusão. É chatíssimo! É aborrecidíssimo, bocejante, entediante.
Garanto que é inversamente proporcional ao irmão mais modesto. Enquanto o singelo Altano merece todos os poucos euros que se paga por ele, este não vale a diferença. Nem só pela relação entre a qualidade e o preço. Este deveria ser mais barato do que o outro.

Região: Douro
Produtor: Symington Family Estates
Teor alcoólico: 13,5%
Nota: 2,5/10

quinta-feira, março 01, 2007

Casa Vidal

Almas da Areosa - Aguada de Cima (Águeda Sul)
Telefone: 234 666 353

Situa-se em plena Bairrada e a especialidade da casa é o leitão. Está um pouco fora do circuíto principal da restauração e, talvez por isso, não tenha a fama que outros congéneres. Confesso que apenas provei uma vez o leitão da Casa Vidal e a impressão que me ficou é que nunca tinha, afinal, provado leitão... ou um leitão que me soubesse divinamente como este, embora conheça os vários famosos bairradinos. A pele é muito estaladiça, a carne muito macia e gostosa, o tempero funciona sem inflamar a boca e tudo de une num objecto único de desejo.
O serviço é rápido, eficiente e simpático. A casa é um dédalo, mas ali ninguém se perde: leitão é a escolha. Um caminho que espero voltar a repetir em breve.

Sinal Vermelho

Rua das Gáveas, 89 (Bairro Alto)
Telefone: 21 346 12 52

Das muitas vezes que ali fui vou apenas narrar a minha última incursão, porque é ilustrativa na qualidade do serviço e dos pratos.
O Sinal Vermelho é um restaurante popular, de gastronomia portuguesa, sem armar ao pingarelho e sem espalhafatos desnecessários. A casa é limpa e, felizmente, tem a decência de ter a cozinha resguardada, por forma que ninguém sai a cheirar a comida. O serviço sempre foi correcto e atento. A decoração é popular, com a sala decorada a azulejos a meia parede; não é um espanto, antes pelo contrário. Paga a conta, o cliente não se sente abusado e tem a barriga e a gula satisfeita. E como popular não significa alarve, ali não há a moda de se pôr uma travessa frente ao cliente a fazer de prato. Um prato continua a ser um objecto redondo.
Nesta minha última vez vieram uns filetes de chocos panados, que estavam muito frescos e saboros, acompanhados com arroz de feijão, que poderia estar mais saboroso. A culpa está na escolha do arroz. Aqui caiu-se no arroz agulha, que se presta pouco à gastronomia portuguesa e pouco dado a absorver os sabores. Este é pois um aspecto a modificar.
Depois veio rim, que é um prato de risco! Ou se sabe fazer ou o comensal está a comer análises à urina. A prova foi mais do que ultrapassada. Vinte valores. Os rins vieram com ovos mexidos, arroz e couve. Aqui só se lamentou o arroz, pela mesma razão e que desta feita acresceu estar encruado.
Quanto ao vinho há a dizer coisas boas e uma menos boa. A negativa é o costume: o preço. As boas são a variedade e a presença de uma escolha qualitativa. Há uma oferta de brancos melhor do que é hábito em restaurantes deste patamar e uma gama de tintos de qualidade mais vasta e a preços mais simpáticos também de referenciar. Quem quiser beber um bom vinho consegue encontrá-lo e a preço relativamente acessível. Ou seja, os vinhos mais baratos estão puxados para cima, enquanto os melhores não estão assim tão encarecidos, o que pode fazer pender a escolha para os mais nobres.
Uma refeição com couvert, prato, vinho, sobremesa e café situa-se entre os 25 e os 30 euros. Dadas as circunstâncias e tendo em conta concorrentes do mesmo patamar, parece-me que o Sinal Vermelho é uma escolha absolutamente acertada.

Nota: Ora depois de eu ter escrito este texto a loiça da casa foi mudada e, lamentavelmente, foi adoptada para serventia as malditas travessas em vez de pratos. Há maus hábitos que se pegam!