sexta-feira, Janeiro 18, 2013

O pinot noir de João Barbosa

Ando para aqui com o blogue atrasado e cometo outra gafe… não foi o senhor Cunha que me veio pedir, sou mesmo eu quem laborou a coisa. Textos vínicos em bicha de espera e este entra logo. Pareço eu no Lux! À frente de toda a gente e sem pagar. Diga-se que aqui também ninguém paga nada.
.
Entrevistei (profissionalmente) o meu homónimo dos vinhos Ninfa e Lapa dos Gaivões. Estava marcado nas estrelas que «João» e «Barbosa» quando se juntam dão pessoas fantásticas. Ele e eu (!!!) somos pessoas fantásticas… eu, principalmente sou belo e gracioso, apesar dos cento e alguns quilos. Além do mais, sou do Belenenses!
.
Contei-lhe que um dia hei-de fazer um vinho: lote de baga, ramisco e touriga franca. Ainda lhe disse que ia ter um problema com ele, por causa da marca, mas João Barbosa continuou simpático. Bolas!
.
Brincadeira à parte, o senhor é uma simpatia e atenciosidade (existe?) que cativam. Como escrevi e disse (é feio fazer autocitações, mas eu posso) muitas vezes, a paixão, trabalho e empenho traduzem-se no final. O amor que damos reverte. É a lei do retorno…  quem faz com pouco gosto nunca fará bem feito. É por isso que a comida das mães é sempre a melhor do mundo…
.
Ora, seis vezes três: dezoito… vinho do Tejo? Pois, não é o que se pensa quando se fala em grandes vinhos, ainda que se saiba que a qualidade cresceu muito de há uns (poucos) anos a esta parte.
.
Grandes vinhos? João Barbosa tem vinhos de qualidade inquestionável, mas tem um que é absolutamente fora de série… fora do sério. Vim do Alto da Serra (Rio Maior) excitadíssimo para escrever este texto. Há muito tempo que não me comovia assim e poucas foram as vezes em que me empolguei desta maneira.
.
.
O vinho ainda não está engarrafado e só será descoberto daqui por uns meses. Entretanto, João Barbosa deu-mo a provar. Fantástico! Ou fazendo um trocadilho com as línguas portuguesa e inglesa: funtástico!
.
Trata-se dum pinot noir como haverá poucos, quiçá nenhum, em Portugal. Tem cor de pinot noir e é elegante como um bom Borgonha. Suave e macio; não é veludo, é seda. Seda, mesmo. Uma acidez de ressuscitar. Um ataque de coração pelo melhor. Emoção, vida, personalidade e carácter. Um vinho único, que um enófilo tem de provar.
.
A colheita é de 2011 e, como só acontece com os grandes vinhos, tem séculos pela frente. E irá em crescendo. Dez anos? Espero voltar a ele dentro de dez, vinte e trinta anos. Um colosso!
.
Desculpem-me tantos elogios, mas estou nervoso de contente. Ganda pinta de vinho!
.
Tenho, no livrinho do coração, alguns vinhos portugueses que me conquistam ano após ano, os meus Grand Cru, que não dispenso e que ponho as mãos no fogo pela sua qualidade. Quero bebê-los até morrer e a eles voltar na próxima encarnação: Quinta do Vale Meão, Quinta de Foz de Arouce Vinhas Velhas de Santa Maria e Cavalo Maluco, nos tintos, e Maritávora Grande Reserva Branco.
.
O meu pensar do que quem faz por gosto, ou quem acarinha o que é seu, sangra amor e deleite é válido para Francisco Olazabal, conde de Foz de Arouce, José Mota Capitão e Manuel Gomes Mota… além dos respectivos enólogos (Francisco Olazabal, João Portugal Ramos, Paulo Laureano/Mota Capitão e Jorge Serôdio Borges), penso eu (de que, como terá dito aqueloutro senhor do Porto). Isso mesmo se pode dizer de João Barbosa e do alquimista júnior, que já não é nenhuma promessa, Pedro Pereira Gonçalves… o tal que, quando estava em Vale d’Algares, me prometeu uma prova cega de tintos…
.
Bem, dessas minhas referências portuguesas de eleição nenhuma leva nota abaixo de nove… sendo que (já me cansa escrever isto tantas vezes) a classificação não é nem óbvia nem proporcional… o três é positivo e não é nem metade, nem um terço nem um quarto de quatro… é três. E o dez é uma nota aberta, que vai do dez até ao infinito antes de onze.
.
Este pinot noir de 2011, que João Barbosa irá um dia mostrar ao mundo, terá, pelo menos, um nove. E tenho quase a certeza que assim será para sempre. Como o amor.

Sem comentários: